terça-feira, 31 de maio de 2011

LUTA

Ilustração google
Diante do inimigo, 
me senti derrotada, 
acabada. 
Pensei... 
Vou encarar... 
No momento certo, 
saquei de minha 
mais poderosa arma: 
o amor. 
E enfrentei a luta. 
Senti o inimigo fraquejar, 
gemer e chorar. 
Meu coração 
sangrou, até doeu, 
não queria magoar. 
O inimigo juntou 
suas armas e 
desapareceu de mim... 
Nunca mais voltou.


Publicado no livro Fantasia
2005 Araçatuba SP